HÁ DUAS SEMANAS JACARÉ É ATRACÃO EM BAIRRO DE PARANAGUÁ

0
606

Please enter banners and links.

Moradores do bairro Porto Seguro, em Paranaguá, convivem com um jacaré-de-papo-amarelo que surgiu há duas semanas no Rio da Vila, afluente do Rio Itiberê. Com cerca de 1,5 metro de comprimento, o animal da espécie Caiman latirostris é jovem e aparece na beira do rio para se aquecer com os raios solares, escondendo-se novamente no fundo das águas.

De acordo com a bióloga Fernanda Felisbino, do Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, o animal chama a atenção de moradores, mas está no seu habitat natural. “É o ambiente natural dele. O que aconteceu foi a expansão urbana, que acabou ilhando animais como esse em lugares pequenos”.

Esses animais vivem em bacias litorâneas nos rios da Mata Atlântica e a proximidade de uma Unidade de Conservação – o Parque Estadual do Palmito – explica a aparição do réptil em perímetro urbano. Considerados animais de sangue frio (ectortérmicos), os jacarés normalmente se aquecem em repouso na beira dos rios nas horas mais quentes do dia.

A bióloga lembra que eles são carnívoros de topo de cadeia e, por isso, importantes para a manutenção do ciclo de vida natural ao se alimentarem de animais mais velhos e doentes que não conseguem escapar de suas investidas.

A orientação do órgão ambiental é não se aproximar. A bióloga também alerta que maltratar qualquer tipo de animal é crime.

O artigo 24 do Decreto Federal nº 6.514/2008 declara como crime contra a fauna matar, perseguir, caçar, apanhar, coletar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, com a pena variando entre detenção de seis meses a um ano e multa.

 

Ao se deparar com animais selvagens, a orientação é acionar o Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde pelo telefone 180, o Corpo de Bombeiros (181) ou o escritório regional do IAT mais próximo. Em Curitiba o telefone do órgão ambiental é (41) 3213-3038. Não é indicado se aproximar dos animais, nem tentar imobilizá-los sem a ajuda de profissionais

Fonte AEN

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here