Arquivo da categoria: Paranaguá

baleado-centro-interna-1-20150122

“THIAGO NÃO REAGIU AO ASSALTO ” DIZ A ESPOSA AO MIRO FERRAZ NEWS

Na  noite  desta  quinta-feira (22)  a  esposa  de  Thiago  Rodrigues de  28  anos  morto  baleado  em  um  assalto  no  centro  de  Curitiba ,  declarou  que  o  marido  não  reagiu  ao  assalto , contrariando as  informações  divulgadas  anteriormente  .

Em  contato com   o   site  Miro Ferraz  News ,  a fisioterapeuta  Luciana  Zanine  disse  que Thiago não reagiu ao assalto, tirou corrente, celular, relógio, morreu com tudo na mão  .Segundo Luciana  o bandido atirou porque  muita gente gritou que era assalto .

Segundo informações  do  site Paraná Online  .,testemunhas  disseram  que  Thiago  teria  reagido  e  até  entrado  em  luta  corporal  com  o  bandido ,  que  fugiu  após  atirar contra  o  jovem  ,  deixando  um  par  de  tenis . Uma  das  testemunhas  voltou  a  afirmar  o  ocorrido  em  entrevista  ao  Paraná  TV  segunda edição , pela RPC  (Rede Paranaense  de Comunicação )

Cãmeras  de  segurança  da  região devem auxiliar  a  esclarecer  o  que  realmente  aconteceu  ,  e  a  identificar  o  marginal

O  jovem  morava  no  bairro  Parque  Agari  e  trabalhava  na Cooperativa de Transportes de Cargas e Anexos Ltda.

O  corpo  será velado  apartir das   4  horas  da  manhã  desta  sexta-feira (23) . O  sepultamento  ocorrerá  as  17  horas  no  cemitério  Nossa  Senhora  do  Carmo   no centro da  cidade.

FONTE:MIRO FERRAZ NEWS

283970_102961243138698_2282039_n

baleado-centro-interna-1-20150122

MORADOR DE PARANAGUÁ MORRE AO REAGIR A ASSALTO NO CENTRO DE CURITIBA

Uma   tentativa  de  assalto  terminou  com  a  morte  de  um  jovem  morador  na  cidade  de  Paranaguá  ,  na  tarde   desta  quinta-feira  (22-01)  .  O  fato  ocorreu na  Rua Sete  de  Setembro   no  centro  de  Curitiba . O  parnanguara  Thiago  Rodrigues  de  28  anos  de  idade   estava  com  a  sogra em  um fox  vermelho  com  placas  de  Paranaguá  quando  foi  abordado  por  um  rapaz . Testemunhas  disseram  que  Thiago  teria  reagido  e  até  entrado  em  luta  corporal  com  o  bandido ,  que  fugiu  após  atirar contra  o  jovem  ,  deixando  um  par  de  tenis .

Os  Socorristas  do  Siate  e  médicos  do  SAMU fizeram  massagem  cardíaca  para  tentar  reanimá-lo  ainda  no  meio  da  rua . Ele  morreu  ainda  na  ambulãncia  antes  de  chegar  no  hospital  do  Cajurú.

Cãmeras  de  segurança  da  região devem auxiliar  na  identificação  do  marginal.

O    site  Miro Ferraz  News , conversou  com  a  esposa  da vitima  que  declarou  uma  outra  versão ,  contrariando  as  informações divulgadas  anteriormente .

Segundo a  fisioterapeuta  Luciana  Zanine seu  marido  Thiago não reagiu ao assalto, tirou corrente, celular, relógio, morreu com tudo na mão Segundo Luciana  o bandido atirou porque  muita gente gritou que era assalto

O  jovem  morava  no  bairro  Parque  Agari  e  trabalhava  na Cooperativa de Transportes de Cargas e Anexos Ltda.

O  velório  começará  as  4  horas  da  manhã  desta  sexta-feira (23) ,  sepultamento  ocorrerá  as  17  horas  no  cemitério  Nossa  Senhora  do  Carmo .

283970_102961243138698_2282039_n

1464668_10202897471669595_7237076060662506526_n

NOITE DE QUARTA-FEIRA (21-01) MAIS UM HOMICIDIO EM PARANAGUÁ NA VILA CRUZEIRO

10941033_10202897471109581_6832709592568223964_n

Por  volta  das  22  horas  desta  quarta-feira (21-01)  mais  um  homicidio  foi  registrado  na  cidade  de  Paranaguá .

Desta  vez  o  crime  ocorreu  na  casa  da  vitima  localizada  na  Vila  Cruzeiro  ,  que   foi  executada com   seis  disparos  de  arma  de  fogo  que  atingiram  seu  rosto  e  abdomém  resistindo  e  morrendo  na  hora .

A  vitima  foi  identificada  sendo  João  Carlos  da  Silva  de  51  anos  de  idade    . O  corpo  foi  encaminhado  ao  Instituto  Médico  Legal  de  Paranaguá .

A  policia  civil  investiga  o  caso  ,  e  deverá  se  pronunciar  em  breve  para  responder se  esse  crime  tem  ligação  com  as  outras  duas  mortes  registradas nesta  mesma  semana  na  cidade .

1464668_10202897471669595_7237076060662506526_n

NOITE DE QUARTA-FEIRA (21-01) JOÃO CAVALO É MORTO COM TIRO NO ROSTO NA VILA CRUZEIRO

10941033_10202897471109581_6832709592568223964_nPor  volta  das  22  horas  desta  quarta-feira (21-01)  mais  um  homicidio  foi  registrado  na  cidade  de  Paranaguá .

Desta  vez  o  crime  ocorreu  na  casa  da  vitima  localizada  na  Vila  Cruzeiro  ,  que   foi  executada com   seis  disparos  de  arma  de  fogo  que  atingiram  seu  rosto  e  abdomém  resistindo  e  morrendo  na  hora .

A  vitima  foi  identificada  sendo  João  Carlos  da  Silva  de  51  anos  de  idade   ,   O  corpo  foi  encaminhado  ao  Instituto  Médico  Legal  de  Paranaguá .

A  policia  civil  investiga  o  caso  ,  e  deverá  se  pronunciar  em  breve  para  responder se  esse  crime  tem  ligação  com  as  outras  duas  mortes  registradas nesta  mesma  semana  na  cidade .

img_083a6fc6f8b184aee37db64f6fa8a627

investigação no MPPR contra vereador de Paranaguá vai continuar

A não instauração da Comissão Especial Processante (CEP) contra o vereador Jacir de Oliveira Morais (PSL), o Jacizinho, derrubada pela Câmara Municipal de Paranaguá por quatro votos contra três no dia 11 do mês passado, não interromperá a investigação das denúncias feitas pelo guarda municipal, que o acusa de abuso de poder e o da servidora do Legisaltivo, que o acusa de assédio moral. É o que afirmou ao JB, o promotor de justiça do Ministério Publico do Paraná (MPPR), Leonardo Dumke Busatto.

De acordo com o promotor, o fato dos vereadores derrubarem a investigação sugerida pelo próprio MPPR, não irá interferir nas duas investigações, a que foi feita pelos servidores e a que foi aberta tendo como base a reportagem do JB, sob o título “Câmara não tem controle do uso de carros oficiais por vereadores em Paranaguá”, veiculada na edição 279, em novembro de 2013. Nela o vereador afirmou que usou o carro oficial por três vezes para acompanhar sua irmã em investigação de câncer no Hospital Erasto Gaetner; o que não é permitido. Nesta investigação, o JB será chamado para falar sobre a reportagem, informou o promotor.

Vale ressaltar que a rejeição da investigação pelo Legislativo, ocorreu 10 meses após a leitura da resolução que criou a Comissão Especial Processante (CEP), em atendimento aos processos de números 2340/2013 e 2574/2013, do Ministério Público do Paraná (MPPR), protocolados no Legislativo. Apesar dos cargos da CEP estarem definidos, onde teria o vereador Adriano Ramos (PROS) como presidente, a vereadora Laryssa Thaiz de Castilho Pereira Poleti Moreira (PRB), como relatora e o vereador Ivan Aparecido Hrescak (PMDB) na condição de secretário, a CEP foi derrudaba sob o argumento de falta de provas materiais contra o vereador. A maioria dos vereadores optou por abster-se da votação, enquanto que os vereadores Adriano Ramos, Laryssa Castilho e Benedito Nagel (PSD) votaram favoravelmente à instauração da CEP. Mas de forma surpreendente, depois de votar inicialmente pela instauração, o vereador Ivan da Fafipar, que era membro da CEP, mudou seu voto sendo contra a investigação, definindo o placar de 4 a 3 pela rejeição. No final da sessão, o vereador Adriano Ramos, que era o presidente da CEP, mostrou-se decepcionado com o resultado da votação. Para ele, a investigação poderia provar a inocência ou a culpa do vereador, mas ela sequer chegou a ser colocada em prática.

Fonte: Gilberto Fernandes//Jornal dos Bairros
14911

Empresário firma parceria com Prefeitura para financiar projeto de restauração da Estação Ferroviária

Um empresário de Paranaguá firmou parceria com a Prefeitura de Paranaguá e vai bancar a adequação do projeto de restauração da Estação Ferroviária, ação que deve dar mais agilidade ao processo. Para tratar do assunto, o empresário Humberto Máximo, proprietário da Planeta Jeans, participou, juntamente com seu sócio, Antônio Alves, de uma reunião com o prefeito Edison Kersten na tarde de terça-feira (20). A secretária municipal de Planejamento, Rita Abe, também participou da reunião.

A adequação dos projetos é necessária pois o projeto de restauração feito pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em 2011 não contemplava o reparo do telhado, que desabou em agosto do ano passado. O trabalho que será financiado pela empresário consiste em adequar o projeto de 2011 já contratado de restauro do telhado e do piso de madeira.

Com isso, explica o prefeito Edison Kersten, ganha-se agilidade no processo e a restauração pode sair mais cedo do que se imaginava. “Seguindo os trâmites da administração pública, com processos licitatórios, a adequação dos projetos demoraria mais”, disse.

Rita Abe explica que a estimativa de ganho de tempo varia entre 60 e 90 dias. “A empresa privada tem condições de contratar a adequação do projeto de modo mais rápido, o que nos dará agilidade para completar o processo”, disse.

O prefeito Edison fez questão de ressaltar a importância da parceria entre o ente público e o privado. “Precisamos de mais parcerias como essa. Precisamos de empresários que se comprometam e queiram retribuir à cidade”, disse.

O empresário citou o sentimento de gratidão com a cidade para selar a parceria. “Nossa empresa nasceu aqui e, se hoje temos filiais em outras cidades, devemos isso ao povo e à cidade de Paranaguá. Essa foi uma forma de retribuirmos”, disse Humberto, ressaltando que vai iniciar um movimento junto a outros empresários da cidade com o intuito de angariar material para a recuperação do monumento histórico.

Verba

O recurso total para a restauração da Estação Ferroviária de Paranaguá é de R$ 1,8 milhão e já está garantido via Ministério do Turismo (MTur). Inicialmente, o recurso previsto era de R$ 1,3 milhão, valor que foi aumentado para R$ 1,8 milhão após visita do presidente da Fundação Municipal de Turismo (Fumtur), Rafael Guttierres Júnior, ao Ministério do Turismo em dezembro.

Histórico

A Estação Ferroviária de Paranaguá está sem receber reparos há vários anos. Entenda as últimas ações realizadas no prédio.

2011 – Contratação, pelo IPHAN, de empresa para realizar projeto de restauro da Estação.

2013 – Prefeitura cadastra no sistema do Ministério do Turismo (MTur) a solicitação de recursos para realizar o restauro do prédio. O pedido não foi contemplado pelo Governo Federal.

2014 – março: novamente, realiza-se o cadastro da solicitação de recursos junto ao MTur para a obra de restauro.

2014 – desabamento de parte do telhado.

2014 – outubro: o MTur libera recurso de R$ 1,3 milhão para a obra.

2014 – contratação emergencial do projeto estrutural de madeira do telhado, forro e piso da Estação. Projeto entregue antes do final do ano.

2014 – dezembro: O MTur fez um aporte de mais R$ 500 mil para a obra, após visita do presidente da Fumtur, Rafael Guttierres Júnior.

2015 – janeiro: contratação de empresa para para adequação, compatibilização e atualização do projeto de restauro e orçamento de 2011, orçamento e projeto estrutural de madeira do telhado, forro e piso de 2014.

2015 – março/abril: início previsto do processo de licitação da obra de restauro da Estação.

Jornalista: Marcos Silva

img_5de5962c5ec33222a648a6fc87b70033

APPA alega invasão e quer retirar cantinas e comércios da Rua Manoel Bonifácio

Dia 13 de abril de 2005. Data que deflagrou o início do pesadelo para os cantineiros que, por 30 anos, atuaram no interior do pátio de triagem da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) e a justiça determinou que fossem retirados.

Na época foi o fim de uma batalha judicial, que iniciou com o porto pedindo na justiça a reintegração de posse do local onde estavam os cantineiros, alegando a necessidade de fazer a remodelagem das instalações. Em Paranaguá, o juiz Hélio Arabori negou a reintegração e o porto entrou com agravo de instrumento no Tribunal de Alçada, que também negou o recurso. O porto não desistiu e assunto foi para a Câmara Cível do Tribunal de Alçada, que é formada por três juízes. Dois deles deram a reintegração de posse ao porto e os cantineiros foram obrigados a sair no dia 13 de abril, quando as instalações foram totalmente demolidas.

Passados nove anos deste drama que gerou tumultos, protestos e até paralisação do escoamento da safra no porto, mais uma vez, a APPA investe na retomada de uma área que alega lhe pertencer e, mais ainda, diz estar dentro da área do porto organizado.

A área em questão localiza-se após a calçada da Rua Manoel Bonifácio e conta com cerca de 18 cantinas, imóveis sindicais e outros comércios, entre eles, um posto de atendimento telefônico. Durante muito tempo no passado, até mesmo um posto bancário estava instalado no local, tradicionalmente conhecido pelas opções de lanches, refeições e bebidas para trabalhadores da região, principalmente os trabalhadores portuários avulsos (tpas).

Na última terça-feira, 6, o chefe da Guarda Portuária da APPA, Coronel Antonio Kasczeszen Jr., pessoalmente esteve no local levando uma notificação extrajudicial, assinada pelo diretor presidente da Appa, Luiz Henrique Tessuti Dividino, pedindo a desocupação da área no prazo de 30 dias, para que seja integrada a logística própria da operação portuária.
A ação surpreendeu os permissionários das cantinas e de outros comércios e, alguns se negaram assinar o recebimento da notificação extrajudicial, como o proprietário do tele posto Almir Oliveira, que tirou uma cópia da notificação para usá-la em sua defesa na justiça.

Ressarcimento e danos morais

A reportagem do JB conversou com alguns permissionários para saber o que pretendem fazer em razão desta situação e um dois cantineiros, Fernando, que trabalha há oito anos no local, disse que não foi notificado, mas se tiver que desocupar a área, sairá sem maiores problemas. Por sua vez, a cantineira Magali que recebeu a notificação, ressaltou que está há 20 anos trabalhando na área e que, recentemente, terminou de pagar a reforma da cantina no valor de R$ 35 mil. Ela contestou a afirmação do Coronel Kasczeszen de que não pagava água e luz e que eles eram invasores na área portuária. “Pago só de água R$ 300 e mais R$ 150,00 de luz. E tem mais, aqui não é porto, aqui passa ônibus, táxi e turismo. Não somos invasores, somos permissionários, alguém permitiu que estivéssemos aqui”, desabafou a permissionária. Ela disse ainda que os comerciantes locais se uniram e contrataram um advogado para defendê-los e que não irão sair sem lutar pelos seus direitos. “Não me nego a sair, mas quero recuperar tudo o que gastei”, garantiu Magali. Por sua vez, a evangélica da Igreja Assembleia de Deus, Juliana Colaço de Oliveira, disse que está com sua cantina desde 2001, mas que antes dela a sua família já estava trabalhando lá há 30 anos. Ela informa que não apenas trabalha na cantina, como mora com seu filho e que não tem para onde ir. “Tenho filho para criar”, diz preocupada a permissionária. Ela também rebateu o coronel Kasczeszen, garantindo que paga água, esgoto e luz. Envergonhada pela alegação da APPA que na área existe prostituição e venda de droga, a evangélica garante que ela e os demais cantineiros pretendem cobrar na justiça a veracidade desta informação e que pretende pedir indenização à APPA por danos morais. Juliana recorda-se da época de 2005, quando foram retirados os cantineiros do pátio de triagem e disse que a APPA foi até o local e fez o recadastramento de todos os permissionários no porto. Sua revolta maior, porém, foi com a atitude do coronel Kasczeszen ao informar sobre a desocupação da área. “Ele chegou e disse: “eu vim avisá-la que amanhã cedo vai vir um caminhão e a senhora vai pegar sua mudança e sair, pois a tarde estaremos desmanchando tudo. Eu disse não, cadê a ordem judicial para fazer isso?” relatou Juliana.

TAC com MPPR

De acordo com a notificação extrajudicial recebida pelos cantineiros, a APPA alega o desejo de promover a conservação e ressalvas de seus direitos. Além disso, informa a existência de um Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Paraná (MPPR) no inquérito civil número 0103.11.000082-7 e da ocupação ilegal e irregular de imóvel localizado supostamente dentro da área do porto organizado sob sua jurisdição para cobrar a desocupação da área.

O que diz a APPA

A reportagem do JB procurou a APPA, através do setor de “Atendimento à Imprensa”, na pessoa de Pedro Brodbeck que respondeu aos questionamentos. De acordo com a Appa, o ato de retomada da área se deve a uma orientação do MPPR direcionada, especificamente para as cantinas localizadas no Pátio de Triagem da Appa. Porém, a orientação é estendida para os demais espaços onde existam situações similares, ainda que situada em outras áreas da cidade. Broddeck disse ainda que esta medida é respaldada por decreto da presidência da República, que estabelece as áreas do porto organizado. No que diz respeito a denúncia sobre a venda de drogas e prática de prostituição no local, a Appa disse que elas são anônimas e postas verbalmente junto a funcionários da APPA, seja por conta de venda de drogas, prostituição, falta de condições sanitárias de cantinas, etc. a Nota ressalta que os denunciantes permanecem no anonimato pois caso contrário fariam denúncias e registros de ocorrência nos órgãos competentes. Estas informações foram levadas também ao MP.

A Appa disse ainda que o Chefe da Guarda foi designado para entregar as notificações extrajudiciais e que poderia ser qualquer outro funcionário da empresa. A nota encerra afirmando que os imóveis são de propriedade do Estado e que não cabe nenhuma indenização. Quanto aos bens móveis estes devem ser removidos pelos interessados. O JB recebeu da Appa cópia do TAC firmando com o MPPR e observou que a orientação não se limita a retirada dos cantineiros do local, o que pode ser feito até o dia 30 de abril, através de reintegração de posse. O TAC sugere ainda, em sua clausula quinta que a Appa, caso opte por prosseguir concedendo o espaço aos cantineiros, que assuma a obrigação de fazê-lo mediante ato de concessão remunerada de uso, precedido de procedimento licitatório, a ser iniciado a partir do dia 1º de julho deste ano. O que significa que a retirada dos cantineiros não é a única orientação do Ministério Público do Paraná.

 

 

Fonte: Gilberto Fernandes//Jornal dos Bairros
1484415_10202891716405717_2688061110741732250_n

EM MENOS DE 24 HORAS MAIS UM HOMICIDIO É REGISTRADO EM PARANAGUÁ !

Mais  um  homicidio  foi  registrado  no  final da  tarde  desta  terça(20)  em  Paranaguá  . O  crime  ocorreu  no  Beco  do  Oleo  na  Ilha  dos  Valadares  .

A  vitima  identificada  como  Deni  Araujo  ,  conhecido  como  “Nego Dan ”  foi  executado  com  varios  tiros  . Essa  é  a  segunda  execução registrada  em  menos  de  24  horas  na  cidade . Na  madrugada  passada  outro  crime  foi  registrado  na  região  da  Vila  Guarany.

O  corpo  da  vitima  Deni  Araujo “Nego Dan ” ,  foi  recolhido  ao  Instituto  Médico  Legal  de  Paranaguá .

CENSURA: Repórter do ”Programa 190” é preso durante transmissão ao vivo

O repórter Iverson Vaz, de 41 anos, do ”Programa 190”, da CNT, foi preso nesta terça-feira (20), durante uma transmissão ao vivo após ultrapassar o cordão de isolamento enquanto fazia uma reportagem sobre uma explosão de um caixa eletrônico no bairro Cajuru, em Curitiba. 

Depois de ter sido retirado do local por policiais do 20º Batalhão da Polícia Militar, Iverson criticou a atitude. Enquanto falava sobre a ação para o cinegrafista Júnior Guimarães, os policiais retornaram e deram voz de prisão para o repórter.

Iverson foi encaminhado ao 6º Distrito Policial por desacato. O profissional assinou um termo circunstanciado e foi liberado.

Confira o vídeo:

FONTE:RTV 38