Bairros de Paranaguá serão beneficiados com suspensão da taxa de esgoto

Muitos bairros de Paranaguá se encontram na situação de não contar com a rede separadora absoluta e os moradores ganham, a partir da próxima fatura, a suspensão da cobrança da taxa de esgoto.

De acordo com o Diretor Geral da Cagepar, Paulo Sérgio Guedes, os usuários do sistema que receberem a fatura com a cobrança poderão procurar a Ouvidoria da Cagepar para registrar as reclamações. Todas as denúncias serão processadas pela atual diretoria da Central de Água, Esgoto e Serviços Concedidos do Litoral do Paraná (Cagepar).

A suspensão foi comemorada por muitas pessoas. “R$ 40 a menos na minha conta”, comemorou Renan Rafael. “Parabéns prefeito, eu pago por mês 70 reais de esgoto”, disse Sirlei de Assis na página da Prefeitura na rede social Facebook.

E a principal orientação é procurar a Ouvidoria da Cagepar que fica na rua Dr. Leocádio, 307, no Centro Histórico.

Sistema unitário
A Cagepar informa que, com relação a determinação da retirada da cobrança de esgoto nas regiões cujos usuários estejam conectados ao sistema de drenagem (unitário), a atualização dos arquivos digitais dos cadastros técnicos das redes do sistema de esgotamento sanitário estão sendo compatibilizados com a base de dados da concessionária, recentemente apresentada, e dentro da maior brevidade, a Cagepar irá divulgar as regiões servidas pelo sistema unitário.

“A suspensão deve ser aplicada imediatamente, mas como há emissão de faturas em dias diferentes, nos casos em que a taxa for cobrada, fica a orientação para nos procurar”, disse o diretor da Cagepar.

O prefeito de Paranaguá, Marcelo Roque, lembra que desde o início de sua administração vem buscando concretizar esta reivindicação da população. “Iniciamos a gestão tomando conhecido de uma empresa falida e a mudança da mesma. Tivemos que esperar para tomar qualquer atitude, mas agora conseguimos”, disse.

Ilha dos Valadares
Os moradores da Ilha dos Valadares também reclamavam da cobrança da taxa de esgoto. “Lá a Estação de Tratamento está em fase de testes e por isso queremos que a suspensão seja imediata”, confirmou o prefeito em entrevistas a veículos de comunicação da cidade.

Jornalista: Luciane Chiarelli 

VEM MUITA CHUVA POR AÍ !

Nesta quinta-feira uma frente fria avança pelo Sul do País.  No Paraná o dia amanhece abafado, com chuvas já pela manhã entre o oeste, sudoeste e o centro-sul do Estado. Nos demais setores as mudanças mais significativas ocorrem a partir da tarde. Temporais são previstos no Estado, com possibilidade de rajadas de vento fortes em algumas áreas, além de chuvas e trovoadas. Por conta do aumento de nebulosidade e chuvas na região, as temperaturas se elevam menos, mas isto principalmente nas regiões onde chove desde cedo. No norte, Campos Gerais, região de Curitiba e litoral aquece bastante.

Na sexta-feira (22) o eixo da frente fria afasta-se para o Oceano, mas o tempo segue bastante abafado na maior parte do Paraná. Entre os Campos Gerais, Região Metropolitana de Curitiba e litoral as temperaturas não se elevam tanto, mas nos demais setores o dia deve ser quente.

Nesta situação áreas de instabilidade formam-se no período de maior aquecimento, mas de forma mais localizada/isolada em comparação a quinta-feira. Condição para chuvas é maior na “metade sul” paranaense. A precipitação pluviométrica prossegue pelo menos até até domingo (22).

Vacinação contra dengue será feita de casa em casa a partir desta quinta-feira

Algumas ações foram determinadas nesta quarta-feira (18) para melhorar os índices de vacinação contra a dengue em Paranaguá. A campanha segue até dia 27 e a taxa de imunização aproximada, até o final da tarde de segunda-feira, era de 44,12% do público-alvo, com aplicação de 18.240 pessoas para a terceira dose, e mais 4.021 para a segunda. O objetivo é imunizar cerca de 43 mil cidadãos.

O número preocupa e por isso nesta quinta e sexta-feira o mutirão de conscientização e de remoção de criadouros do mosquito Aedes Aegypti vai incluir também vacinação de casa em casa. A ação envolverá cerca de 300 pessoas, entre agentes comunitários de saúde e de endemias, que também irão auxiliar as equipes das 14 unidades básicas de saúde a realizar a vacinação, além de cargos comissionados da Prefeitura, como secretários municipais, superintendentes e diretores.

No sábado (21) ocorrerá o segundo Dia D da vacinação contra a dengue em Paranaguá. Além de oferecer as doses nos postos também haverá equipes volantes circulando os bairros e fazendo a aplicação nos moradores com idade entre 9 e 44 anos, 11 meses e 29 dias que ainda não foram imunizados. Na próxima semana as ações serão concentradas nas escolas municipais, para atingir as crianças que ainda não foram imunizadas, de segunda a sexta-feira.
“É lamentável que nossa população ainda não se conscientizou da importância dessa vacinação para não termos uma nova epidemia de dengue em Paranaguá, até porque a cidade já viveu a triste realidade de perder 25 cidadãos devido a essa doença, no ano passado. Por determinação do prefeito Marcelo Roque estamos realizando essa ação nesta quinta e sexta-feira, no sábado, com o Dia D, e na próxima semana, envolvendo as escolas, para tentarmos melhorar o índice de vacinação”, justificou o secretário Paulo Henrique de Oliveira.

Na manhã desta quarta-feira, 18, na sala de reuniões na Prefeitura de Paranaguá, representantes das Secretarias Municipal e Estadual de Saúde, da Comunicação e o controlador geral do Município, advogado Raul da Gama e Silva Luck, reuniram-se para traçar as estratégias para a campanha de vacinação. Na oportunidade a diretora da 1.ª Regional de Saúde, Ilda Nagafuti, destacou que o objetivo maior é a busca por essas pessoas que ainda não se vacinaram. “Muitos ainda não tomaram. Queremos sensibilizar nossa população sobre a importância desse ato e que é necessário receber as três doses para garantir a efetividade da vacina”, salientou.

A médica Júlia Cordelini, superintendente de Vigilância em Saúde, da Secretaria de Estado da Saúde, destacou que o foco principal do encontro foi resgatar o aumento de pessoas a serem vacinadas em Paranaguá. “É um esforço conjunto com o Estado para atingirmos esse objetivo. Este é o momento de revermos estratégias para que possamos conscientizar cada vez mais a população do cuidado em relação ao ambiente, mas principalmente que essa vacina vem fazer a proteção individual de cada pessoa e também daquelas que estão próximas a ela”, avaliou a superintendente, para quem os cidadãos ainda não se deram conta do alto risco da doença.

Dias de temporais para a Região Sul

Os temporais voltam a trazer problemas para a população os estados da Região Sul nos próximos dias. Entre os dias 18 e 20 de outubro, a passagem de uma frente fria pela Sul do Brasil e acentuada queda da pressão atmosférica sobre o Paraguai e o norte da Argentina vão gerar grandes e fortes áreas de instabilidade que vão espalhar os temporais por todo o Sul do Brasil.

 

 

Esta combinação de frente fria e de pressão do ar muito baixa sobre o Paraguai e o norte da Argentina já ocorreu diversas vezes e é sempre motivo de preocupação e de alerta meteorológico. Grandes volumes de chuva voltam a ser acumulados nos próximos dias que poderão causar novos alagamentos e transbordamento de rios. A chuva deve vir com raios e eventualmente com fortes rajadas de vento, entre 70 km/h e 100 km/h. Há risco também de queda de granizo.

 

Para esta quarta-feira, 18, o alerta é para temporais no Rio Grande do Sul, mas o oeste de Santa Catarina e do Paraná podem ter pancadas de chuva moderadas a fortes à tarde e à noite. O alerta para fortes rajadas de vento é válido também para estas áreas.

Entre a quinta-feira, 19 e o sábado, 21 de outubro, tempestades devem ocorrer quase que de forma generalizada sobre a Região Sul, com risco de granizo e ventania.

No domingo, a chuva diminui bastante sobre o Rio Grande do Sul e sobre Santa Catarina, mas a maior parte do Paraná ainda terá chuva volumosa.

Acompanhe diariamente a previsão para a Região Sul

 

Chuva nas capitais

Há risco de chuva forte nos próximos dias para as três capitais da Região Sul, mas desta vez Porto Alegre não deve ter chuva tão volumosa como na semana passada. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, da capital gaúcha já acumulou 224,0 m de chuva em 17 dias, quase o dobro da média.

Florianópolis pode ter chuva forte entre quinta-feira, 19 e o domingo, 22 de outubro. O acumulado de outubro estava em quase 93,0 mm até a manhã do dia 17, apenas 26% abaixo da média.

Em Curitiba, o total de chuva acumulado em outubro, até a manhã do dia 17, era de 130,1 mm, praticamente atingindo a média histórica de chuva para este mês. Há risco de temporais em Curitiba entre os dias 19 e 22 de outubro.

 

Chuva forte sobre solo encharcado

Esta nova situação de chuva forte sobre a Região Sul é especialmente preocupante porque os três estados sofreram com tempestades na semana passada. Na maior parte do Sul do Brasil, o solo ainda tem muita água acumulada e os rios estão cheios. Dados do Instituto Nacional de Meteorologia revelam que já choveu de 100 a 200 mm em 17 dias em muitas regiões do Sul do Brasil, o que representa mais da metade da média de chuva para outubro. A trégua durou efetivamente três dias e a chuva volta com violência nos próximos dias causando mais transtornos e prejuízos para a população.

estimativa do volume de chuva feita pelo modelo GFS Global Forecast System), dos Estados Unidos, prevê que grande parte da Região Sul poderá acumular de 100 a 200 mm chuva apenas no período de 18 a 22 de outubro.

 

Com informações  do  Cima  tempo

FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROCIO ABRE COM O PADRE ROBSON DE OLIVEIRA

A Festa Estadual de Nossa Senhora do Rocio contará com uma grande atração de abertura. No dia 05 de novembro, o padre Robson de Oliveira fará uma missa campal no Santuário do Rocio, a partir das 16:30 horas.

O padre Robson de Oliveira é reitor do Santuário do Divino Pai Eterno, na cidade de Trindade, em Goiás.

A programação da festa deste ano inicia no dia 4 de novembro com missas, novenas, várias atrações musicais e também uma praça de alimentação que está sendo montada para receber toda a população.

No dia 4 ainda, às 19:00 horas, terá uma missa com apresentação e troca do manto de Nossa Senhora do Rocio. Na sequência, às 20:30 horas, terá o início das festividades sociais programadas para acontecer na Praça da Fé, vale a pena conferir.

No domingo, dia 5, além das missas programadas, terá mais uma edição da Cavalgada da Fé de Nossa Senhora do Rocio, com saída às 8:00 horas da Fazenda Mandaguari, localizada na Estrada das Colônias.

A 1ª Corrida de Nossa Senhora também está marcada para o dia 5, além da missa com o padre Robson, às 16:30 horas.

A estimativa deste ano é que tenha mais de 20 mil pessoas na Festa de Nossa Senhora do Rocio.

DESAPARECIDA: NATALIA GONÇALVES MARTINS

Na noite de domingo (15), por volta das 21:00 horas, Natalia Gonçalves Martins, de 15 anos, desapareceu em Paranaguá.

O fato aconteceu na Rua Tufi Maron, no bairro Emboguaçu.

Natalia Gonçalves Martins, de 15 anos, cabelo curto, cor loiro, olhos castanhos escuros, em torno de 1,80m de altura.

No dia do seu desaparecimento estava vestindo calça jeans azul, blusa de manga comprida azul e tênis azul e branco.

Qualquer informação sobre o desaparecimento de Natalia Gonçalves Martins, favor entrar em contato através do telefone 3420-3600.

Marcelo Roque quer suspensão de cobrança do esgoto

O prefeito Marcelo Roque anunciou hoje (17) o pedido de suspensão da cobrança de esgoto que a Agência Reguladora fará à Paranaguá Saneamento, atual empresa de abastecimento de água.

O pedido envolve a suspensão da cobrança de esgoto em toda a Ilha dos Valadares, porque a Estação de Tratamento ainda está em fase de teste. E o pedido ainda envolve a suspensão nos demais bairros onde não há sistema de separação absoluta, o que deve atingir a 80% da cidade.

De acordo com um dos integrantes da Agência Reguladora, apenas dois prefeitos já tomaram atitudes contra a empresa de abastecimento de água. O primeiro foi Mário Roque que multou a CAB Águas de Paranaguá e o segundo é o atual prefeito Marcelo Roque que, desde janeiro deste ano, já notificou por nove vezes a empresa de abastecimento.

Desde janeiro, também, a atual administração fez encaminhamentos técnicos, jurídicos, fiscalizatórios e administrativos para chegar a este ponto de pedir a suspensão da cobrança de esgoto.

“Desde que assumimos tivemos que acompanhar a mudança da CAB Águas de Paranaguá para a Paranaguá Saneamento, e tomamos todas as atitudes possíveis para que a qualidade da água fosse melhorada”, lembrou Marcelo Roque.

O diretor geral da Central de Água, Esgoto e Serviços, Paulo Guedes encaminhou ofício ao diretor operacional da Paranaguá Saneamento solicitando que deixe de realizar a cobrança da taxa de esgoto imediatamente, onde efetivamente não haja o sistema separador absoluto.

O documento ainda foi assinado pelo diretor de fiscalização, Luciano Salmon e pelo presidente do Conselho de Regulação, Carlos Eduardo Ferla Corrêa.

Além de querer a suspensão da cobrança da taxa, Paulo Guedes informou que a Cagepar não autorizará a aplicação de reajuste tarifário, tendo em vista os atuais andamentos do processo de reequilíbrio econômico-financeiro.

De cabeça nas informações